casal mata filho adoptivo de 11 anos para receber seguro de vida - EU Seguros

Introdução

Ter um seguro de vida é ter um prémio na cabeça se as pessoas que estão connosco não têm as melhores intenções.

Uma vez sentei-me com um casal, em que a mulher não parava de fazer perguntas sobre como a seguradora sabia que a morte tinha sido por homicídio, quais eram os procedimentos, que garantias tinha que recebiam…uma conversa interessante. Sobretudo se o marido não estava a perceber a deixa…

Mas muitas pessoas é só conversa, outros levam mesmo com o plano adiante. De seguida vamos ver 6 casos de fraude e homicídio para receber o valor do seguro de vida.

Caso#1: Mike Malloy

Caso#2: Kevin Pushia

Caso#3: Molly and Clayton Daniels

Caso#4: Julia Merfeld

Caso#5: Isaac Aguigui

Caso#6: Arti Dhir e Kaval Raijada

Caso#1: Mike Malloy

Um dos casos mais bizarros de fraude de seguro de vida, foi o caso de Michael Malloy em 1933.

Michael Malloy era um sem-abrigo alcoólico, que tinha por hábito perder os sentidos com o excesso de alcóol e cair no chão redondo, num bar local.

Farto deste indivíduo, o dono do bar e 5 amigos criaram um plano para se vingarem. O plano era fazer um seguro de vida em nome de Malloy e depois matá-lo para receberem o dinheiro. Iriam rapidamente saber que só ao fim da 7ª tentativa conseguiram matar Malloy.

Tentativa#1: Morte por excesso de álcool

A primeira tentativa deles foi tentar que Malloy bebesse até à morte. Aparentemente “esqueceram-se” que ele já era alcoólico, e por isso nºao resultou.

Tentativa#2: Morte por ingestão de anti-congelante

A segunda tentativa  foi tentar que Malloy bebesse anticongelante. Também não funcionou.

Tentativa#3: Morte por ingestão de terebintina

A terceira tentativa  foi tentar que Malloy bebesse terebintina. Também não funcionou. Este homem tinha aparentemente uma grande capacidade de bebida…

Tentativa#4 e 5: Morte por ingestão de veneno para ratos e comida estragada

Dado que bebida, seja de que fonte fosse, não estava a funcionar, este grupo decidiou passar para “alimentos” sólidos. Convidaram-no para jantar e puseram veneno de ratos na comida e noutra “versão” comida estragada. Também não funcionou.

Tentativa#6: Morte por congelação

Dado que nem a versão líquida, nema versão alimentar funcionou, uma noite este grupo esperou que Malloy perdesse os sentidos novamente no bar, arrastaram-no lá para fora para a neve, molharam-no com água gelada no peito e deixaram-no lá, esperando que morresse congelado….Nops. Lá se levantou e no dia a seguir estava sentado no bar novamente.

Tentativa#7: Morte por asfixiamento com dióxido de carbono

Este grupo finalmente matou Malloy ao asfixiá-lo por ingestão de dióxido de carbono

Conclusão:

Eventualmente apanhados, dado não lhes ocorrer que a seguradora solicita uma autópsia, foram todos condenados à morte na cadeira-eléctrica.

 

Caso#2: Kevin Pushia

Em 2010, o pastor e líder religioso de ume igreja em Baltimore, foi condenado a prisão perpétua pelo homicídio de Lemuel Wallace, um cego com deficiência mental associado à igreja de Kevin.

Kevin convenceu Lemuel a fazer um seguro de vida de $400.000 e que este o adicionasse aos beneficiários. Contratou depois 2 homens para apanhar Lemuel e o matar a tiro numa casa-de-banho ali próximo.

Pushia foi descoberto e preso, quando a seguradora notou que aparecia listado como irmão de Lemuel nos beneficiários.

Caso#3: Molly and Clayton Daniels

Molly perdeu o marido num acidente automóvel fatal em 2004. Foi o que contou à polícia. O marido tinha um seguro de vida de $110.000 e Molly iria receber este seguro. No entanto o que aconteceu foi bem mais bizarro.

Molly convenceu o marido Clayton a desenterrar um corpo do cemitério local, vesti-lo com as roupas dele e encenar a sua morte por acidente automóvel.

No entanto, a policia notou que as circumstâncias do acidente pareciam suspeitas. Não haviam marcas de derrapagem e determinaram que o incêndio do veículo começou no banco do condutor e não no motor.

O esquema de Molly e Clayton desmoronou-se quando testes de DNA determinaram que o corpo no lugar do condutor era de uma mulher e não de um homem.

A policia mais tarde encontrou documentos que Molly falsificou para criar uma nova identidade para o marido, incluindo uma certidão de nascimento e uma carta de condução.

Caso#4: Julia Merfeld

Julia Merfeld, com 21 anos, para receber o seguro de vida do marido de $400.000, entrou em contacto com um colega para a ajudar encontrar uma pessoa para cometer o homicídio. Este colega entrou em contacto com a polícia que arranjou uma reunião com Julia com um agente disfarçado que gravou a conversa toda.

Julia Merfield foi condenada a uma sentença de prisão de 20 anos.

Caso#5: Isaac Aguigui

Em 2014, o soldado Isaac Aguigui foi condenado pelo homicídio da sua mulher grávida Deirdre Aguigui. Isaac recebey $400.000 da morte da mulher e $100.000 dos custos do funeral.

Este dinheiro, veio-se depois a descobrir, fazia part dos planos de aguigui para financial um grupo terrorista constituido por ele e outros soldados. Foram encontrados planos desta organização de atentados bombistas e tentativas de assassinato do presidente.

Quanto esta fraude de seguro foi descoberta, Aguigui já se encontrava preso com sentença perpétua, por ter morto 2 pessoas que encontraram os planos da sua organização.

Caso#6: Arti Dhir e Kaval Raijada

Em 2015, Arti Dhir e Kaval Raijada, colocaram um anúncio num jornal indiano, para adoptar uma criança, que queriam adoptar e levar para o Reino Unido. Enquanto a documentação de Gopal Sejani, 11 anos, a criança que iria adoptar, estava a ser tratado, esta mulher de 50 anos fez um seguro de vida de 177.000 como única beneficiária em caso de morte da criança.

Em fevereiro de 2017, a criança foi sequestrada e esfaqueada na presença do cunhado.

As autoridades indianas garantiram que a criança já tinha sido alvo de duas tentativas de homicídio, tendo o homicida apenas conseguida à terceira tentativa.

Este casal aguarda sentença de prisão perpétua.

Conclusão

Apesar destes serem casos que envolvem fraude e homicídio, a realidade não deve ser pensada com base nestes casos, já que não são a maioria.

Se fossem, não haveria razão para continuar a haver seguros de vida, que já existem deste o tempo dos faraós no Egipto.

A lição a tirar destes casos é veres o nível de confiança que tens nos beneficiários do teu seguro de vida. É por ai que deve ser vista a questão no meu entender. E tu o que achas?

Hi Friend!

I'm Diogo, a specialized life insurance broker. I like to help people to have clearer information about the services they purchase.

I created this website to help you better understand why you should have life insurance.

 

Sim! Quero pedir uma cotação para um seguro de Vida agora!

2 + 1 =

Share this post on social media

RECENT POSTS

Summary
casal mata filho adoptivo de 11 anos para receber seguro de vida
Article Name
casal mata filho adoptivo de 11 anos para receber seguro de vida
Description
neste artigo vamos ver 6 casos de pessoas que cometeram fraude e homiício para receber o valor do seguro de vida. O número 6 involve menores.
Author
Publisher Name
Grupo Marques Seguros
Call Now ButtonCall Now